fbpx
OEE

Por John Klaess

Algumas métricas de manufatura resistiram ao teste do tempo. A OEE é uma delas.

Entretanto, recentemente muitos das empresas com quem trabalhamos começaram a mudar seu foco da Eficácia Geral dos Equipamentos (ou Overall Equipment Effectiveness – OEE) para a Eficácia Geral dos Processos (ou Overall Process Effectiveness − OPE). Se a OEE foi projetada para apresentar uma imagem do desempenho das máquinas, a OPE amplia a perspectiva para explicar o que está acontecendo ao redor das máquinas.

Fundamentalmente, a OPE é responsável por um elemento que falta na OEE: o ser humano.

Neste artigo, definiremos OEE e OPE. Vamos explicar por que entender o desempenho das máquinas (OEE) significa fundamentalmente entender o desempenho do ser humano.

Como calcular a OEE

A Overall Equipment Effectiveness (OEE) é uma medida do desempenho de uma máquina em relação à sua capacidade durante as execuções programadas. A OEE é calculada multiplicando as pontuações de Disponibilidade, Desempenho e Qualidade. Essas pontuações são representadas como uma porcentagem e definidas da seguinte forma:

Disponibilidade – É a quantidade de tempo de atividade da máquina durante um período programado (disponibilidade = tempo de atividade / tempo programado)

Qualidade – É o número de unidades de boa qualidade produzidas (sem retrabalho ou defeitos) dividido pelo número total de unidades produzidas durante uma execução programada. (qualidade = boas unidades / total de unidades)

Performance (desempenho) – É uma medida da taxa de transferência da máquina em relação à sua capacidade projetada. A equação para calcular a OEE é:

OEE = D x Q x P

Esta é a equação para calcular a OEE

OEE = Disponibilidade * Qualidade * Performance

Na era digital, calcular a OEE é mais fácil do que nunca. Os protocolos das máquinas facilitam a extração de dados sobre o desempenho das máquinas, os dispositivos de borda multiplicam os tipos de informações que os engenheiros podem gerar sobre suas máquinas e as plataformas de análise tornaram esses novos dados mais fáceis de serem interpretados.

Devo calcular a OEE ou o TEEP

Cabe a você decidir.

O TEEP, ou Total Effective Equipment Performance (Desempenho Efetivo Total do Equipamento), é o equilíbrio entre o tempo totalmente produtivo e o tempo todo.

Enquanto a OEE responde pelo que acontece durante as execuções programadas da produção, o TEEP vê a produção sob o ponto de vista do tempo 24/7, 365 (24 horas por dia, sete dias por semana, 365 dias por ano) – que é o tempo todo no qual suas máquinas podem ser produtivas.

O TEEP é útil para identificar possíveis aumentos da produção, bem como para comparar seu desempenho atual.

Importante: a OPE não é a mesma métrica que o TEEP. Estas são métricas totalmente diferentes.

Portanto, qual delas você deve medir?

Como adicionar contexto à OPE

Embora seja importante entender a OEE, a Internet das Coisas Industrial (ou Industrial Internet of Things − IIoT) pode criar pontos cegos. Em muitas fábricas, os contribuintes mais comuns para a baixa eficiência das máquinas não podem ser atribuídos às próprias máquinas. Esses contribuintes são advindos de problemas que ocorrem com o uso das máquinas.

Em outras palavras, se você estiver apenas medindo a OEE, pode não estar isolando − ou mesmo medindo − os fatores que contribuem para a baixa eficácia.

O que é a OPE?

A OPE é responsável por toda a gama de variáveis e etapas que afetam um processo de manufatura. Ela é uma conta de ponta a ponta do fluxo de valor.

Fundamentalmente, a OPE integra os dados das máquinas com a responsabilidade pelo que acontece em torno das máquinas. Ela é uma representação da ação humana, bem como do desempenho das máquinas.

Um exemplo

A Acme Mesas faz mesas para cozinha. As mesas são feitas em quatro estações. A primeira delas corta a madeira conforme especificação. Na segunda, os colaboradores montam a madeira para fazer os tampos das mesas. Na terceira, os tampos das mesas passam por um processamento, no qual é aplicado acabamento e selante. E, na estação final, um colaborador prende as pernas da mesa.

Veja um diagrama a seguir:

Imagem gráfica de um exemplo de um fluxo de valor simplificado para ilustrar por que você precisa da OPE em detrimento da OEE para realmente entender suas operações.
Esse fluxo de valor simplificado ilustra por que você precisa da OPE para realmente entender suas operações.

Na fábrica da Acme, o rendimento começou a diminuir. Uma engenheira percebeu que os buffers aumentavam antes e depois que o acabamento era aplicado a um tampo da mesa montado. Sua primeira suspeita foi que uma das máquinas não estivesse funcionando de maneira ideal.

No entanto, quando ela verificou os dados das máquinas, eles não haviam mudado. Assim como o trabalho em andamento estava transcorrendo através das máquinas como antes, mas havia no final menos mesas concluídas.

Então, qual era a causa?

Para ir além da OEE, ela fez as seguintes perguntas. As peças estão se movendo entre as estações o mais rápido possível? As trocas estão sendo realizadas de maneira eficiente e correta? As ferramentas certas estão disponíveis quando necessário? Existe um passo específico antes ou depois que está diminuindo a produção? Os seres humanos que estão entre os processos das máquinas estão funcionando com eficiência? Os testes de qualidade estão acontecendo tão rapidamente quanto prescrito?

Esses são apenas alguns dos motivos pelos quais a produção pode ter desacelerado e são todos os fatores cuja responsabilidade não pode ser identificada só através da OEE. São todos os problemas que não podem ser limitados à disponibilidade, qualidade ou desempenho das máquinas.

Portanto, para responder essas perguntas, você precisa coletar dados sobre cada etapa da produção. A melhor maneira para equilibrar com precisão as linhas e otimizar o fluxo de trabalho no fluxo de valor é entender o que está acontecendo em todas as etapas. A verdadeira visibilidade do processo exige a observação dos fatores humanos e das máquinas em uma operação.

A plataforma de aplicativos de manufatura da Tulip oferece total visibilidade sobre os processos do chão de fábrica. Você está curioso para saber como a Konitech, através das soluções da Tulip, poderá ajudá-lo a instituir uma abordagem centrada no ser humano para monitorar as máquinas? Entre em contato conosco hoje mesmo para obter uma demonstração.

Fonte: Tulip

E-BOOK

Augmented Worker

Potencializando as Pessoas na Indústria 4.0

Este guia apresentará o aprimoramento da manufatura – as novas tecnologias, seus casos de uso e seus princípios. Definiremos o que significa extensão no contexto da manufatura, explicaremos por que a manufatura precisa ser aprimorada agora e avaliaremos as diferentes tecnologias e aplicações que estão ampliando a atividade dos trabalhadores no chão de fábrica, no cenário atual.
2 Trackbacks:

[…] Todavia, as informações coletadas por meio de um programa de monitoramento de recursos são importantes para a compreensão da Eficiência Geral do Processo (OPE). […]

[…] Com o monitoramento da máquina na própria máquina, os operadores podem acessar instantaneamente informações sobre desempenho, condição, estado e medidas mais holísticas, como OEE e OPE. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *