fbpx
Imagem mostrando uma máquina em uma fábrica que tem um display digital que ilustra uma Interfaces Homem-Máquina

Por John Klaess

Nos últimos anos, um enorme esforço foi dispendido na expansão da funcionalidade das Interfaces Homem-Máquina (ou IHMs – que derivam do inglês “Human Machine Interfaces). Também houve um grande esforço para torna-las mais fáceis de usar.

Neste artigo, mostraremos como a IoT, os aplicativos e o design centrado no usuário estão tornando o futuro das IHMs mais brilhante do que nunca.

O que é uma IHM?

As Interfaces Homem-Máquina (IHMs) são terminais que permitem que um trabalhador se conecte a sistemas industriais. Mais comumente, as IHMs são telas sensíveis ao toque montadas em máquinas ou posicionadas como terminais independentes.

As IHMs possibilitam visualizar, monitorar e controlar processos industriais a partir de uma única interface.

Por que revisitar as IHMs na era digital?

Para responder a pergunta “Por que revisitar as IHMs?” precisaremos descrever um pouco da história da manufatura.

No centro desta questão, há uma pergunta enganosamente simples: As IHMs foram projetadas para fazer o que?

As IHMs foram projetadas para tornar processos industriais complexos legíveis e acionáveis para os operadores.

As IHMs fizeram isso muito bem, mas houve uma compensação. Os terminais do operador das IHMs tornaram-se extremamente complexos.

Modelar processos industriais é difícil – isto chega a ser uma arte. Projetar interfaces de usuário não é o mesmo que modelar sistemas industriais. Escrevendo em 2012, um engenheiro de controle com experiência em projetar IHMs resumiu bem esse problema:

"Agora, dezenas de milhares de operadores em todo o mundo estão controlando processos de bilhões de dólares, observando desenhos animados primitivos projetados em um momento em que realmente não sabíamos o que estávamos fazendo".

Ele pode ter exagerado esta situação, com efeito retórico (e isto pode até ser mais verdadeiro em processos do que em indústrias discretas), mas o ponto permanece. Os terminais HMI não foram otimizados em relação à experiência do usuário.

Esta situação está mudando, e rapidamente. Aqui estão os principais fatores.

  • A pesquisa mostra que o design pobre da HMI está diretamente correlacionado com um maior risco. O design da interface é crucial para proteger trabalhadores e ativos.
  • A última década viu uma revolução na interface do consumidor. O uso de smartphones na vida cotidiana demonstrou o poder das interfaces simples. Os trabalhadores querem sistemas industriais que sigam os mesmos princípios.
  • A revolução digital na manufatura abriu novas maneiras de conectar, monitorar e interagir com processos industriais. É natural que as IHMs incorporem esses avanços.

Diante desses avanços, como será o futuro das IHMs?

O futuro das IHMs

O futuro das IHMs se desenvolverá em quatro direções principais:

  1. Painéis de controle intuitivos
  2. Aplicativos nas máquinas
  3. Conectividade IIoT
  4. IHMs móveis

Cada uma delas se reforça mutuamente, portanto vamos analisa-las uma por vez.

Painéis de controle intuitivos

Todos nós usamos uma IHM perfeitamente projetada em nossa vida diária, mesmo sem perceber: o smartphone.

Pense em como os smartphones organizam a informação.

Você é apresentado a um conjunto de ícones organizados e em forma de grade. O acesso às informações necessárias é tão simples quanto pressionar a tela sensível ao toque. Quando você precisar obter informações ou executar uma ação, basta tocar em um aplicativo.

Pedir alimentos, pagar uma conta, chamar um taxi – o que você precisar está logo ali. E nunca é difícil de encontrar.

Mas acelerar a manufatura não se resume apenas a modelar as IHMs das máquinas como são os smartphones. Trata-se de modelar o princípio que está por trás do design dos smartphones.

Aquilo de que as IHMs realmente precisam é uma maneira de modular aplicativos e informações. Um operador deve ser capaz de entender imediatamente a tela à sua frente, saber quais opções eles têm e ser capaz de agir de acordo com isso. O controle verdadeiramente intuitivo vem da organização de funções em aplicativos discretos e fáceis de usar.

Aplicativos nas máquinas

Este ponto é consequência natural do anterior. Os aplicativos são cada vez mais uma parte essencial dos processos de manufatura.

Portanto, faz sentido as IHMs terem aplicativos.

Para muitas empresas, as IHMs precisam permitir que os operadores acessem informações sobre o desempenho e a configuração das máquinas. Nas modernas IHMs, os operadores podem acessar os aplicativos de monitoramento das máquinas diretamente na máquina.

Com o monitoramento da máquina na própria máquina, os operadores podem acessar instantaneamente informações sobre desempenho, condição, estado e medidas mais holísticas, como OEE e OPE.

Mas, os aplicativos das máquinas não se limitam a fazer o monitoramento delas.

As modernas IHMs também podem hospedar aplicativos de operações das máquinas. Sem sair da máquina, os operadores e técnicos podem acessar instruções de trabalho para as configurações da máquina, POPs de manutenção, informações sobre trocas, documentos para solução de problemas e formulários de relatório.

Existem também aplicativos de gerenciamento de ferramentas (ver onde as ferramentas estão, quando e quanto tempo de vida elas têm) e informações sobre o desempenho de frota de nível superior.

Com as modernas IHMs, cada um desses aplicativos é acessível a partir de um único ponto.

Está gostando desse post? Então, assine a nossa newsletter!

Conectividade IIoT

Nos últimos 10 anos, surgiram novos métodos de comunicação na manufatura. Com o amadurecimento da nuvem, dispositivos inteligentes e protocolos de comunicação abertos, ficou mais fácil do que nunca ter os processos em rede.

Consequentemente, as empresas esperam que as IHMs se conectem a uma maior variedade de dispositivos. Eles esperam poder se comunicar com dispositivos e máquinas de qualquer lugar, não apenas no terminal.

De várias maneiras, as IHMs conectadas à IIoT são uma extensão natural de um modelo intuitivo orientado para aplicativos.

IHMs móveis

Por fim, o futuro das IHMs inclui uma gama muito maior de interfaces do que as que atualmente vêm à mente.

Hoje, tablets e smartphones já estão realizando grande parte do trabalho que os terminais autônomos e as máquinas costumavam executar.

Ainda não está claro se essas interfaces evoluirão para relógios de punho, wearables (por exemplo, roupas com sensores) ou outros tipos de dispositivos de controle emergentes.

Todavia, a trajetória é clara. A manufatura quer poder monitorar e controlar suas operações de qualquer lugar.

E a tecnologia de manufatura digital está voltada para tornar isso uma realidade.

Conclusão: uma estreita conexão entre seres humanos e máquinas

As interfaces homem-máquina foram e continuarão sendo uma parte crítica da manufatura. Entretanto, sua funcionalidade está se expandindo rapidamente.

Existem mais opções do que nunca para simplificar a experiência do operador, melhorar o controle e executar aplicativos.

Entre em contato com a Konitech para conhecer melhor essas novas opções e como tornar a Interface Homem-Máquina mais moderna com as novas tecnologias disponíveis.

Fonte: Tulip

E-BOOK

Este guia é nossa tentativa de convencê-lo de que a primeira palavra na expressão “Cultura Digital” é a mais importante das duas. Adiante, iremos definir e descrever a cultura digital na manufatura; delinear conceitos tecnológicos importantes; e fornecer estratégias concretas para alinhar a visão com a prática. No final, você terá uma base para promover uma forte cultura digital em sua organização e colher os benefícios trazidos por ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *