fbpx
MES

Por John Klaess

A Gartner descobriu recentemente que 80% do mercado de MES é um mercado de reposição. À medida que o MES (Manufacturing Execution System) legado chega ao fim de seu ciclo de vida, as empresas são confrontadas com uma pergunta assustadora:

Devemos investir mais dinheiro em nosso sistema atual, ou devemos começar do zero?

Ambas as opções têm o potencial de serem enormemente caras. E, considerando que as empresas relatam que o maior fator que consideram ao avaliar soluções é o Custo Total de Propriedade, esta não é uma pergunta a ser respondida levianamente.

Neste artigo, mostraremos a você que existe outra maneira de fazer isto. Usando a Tulip, as empresas podem prolongar drasticamente a valiosa vida útil do seu MES, sem comprar um novo sistema ou construir um sistema partindo do zero.

Avaliando o Custo Total de Propriedade ou, quando devemos parar de investir uma boa quantia em cima de um mau investimento

Os sistemas de manufatura que estiverem no fim do seu ciclo de vida apresentam às empresas um conjunto único de desafios. Alguns sistemas legados ainda desempenham sua função principal (por exemplo, conformidade, genealogia, coordenação de produção), mas a sua manutenção é muito cara. Outros são obstáculos para programas de inovação organizacional.

A pergunta "gastamos mais ou começamos do zero" geralmente se resume a um problema maior: custo e tempo de desenvolvimento. Os custos de um novo MES estão bem documentados (licenças, serviços profissionais, consultoria, manutenção), assim como os tempos de implementação. Mas nem toda organização tem orçamento ou capacidade para comprar um novo sistema, especialmente para projetos que abrangem vários locais.

Para melhor entender isto, vamos analisar rapidamente alguns dos custos que você poderá enfrentar com um MES que estiver no fim de seu ciclo de vida.

Custos de manter um MES legado “na UTI”

A manutenção de um MES se torna mais cara à medida que o sistema envelhece. Esses custos dos sistemas antigos podem ser divididos em custos fixos e custos ocultos. Vamos examinar cada um deles.

Custos fixos

Muitos dos custos advêm da manutenção de um MES em operações contemporâneas. Estes custos podem vir sob a forma de personalizações codificadas, drivers para novos dispositivos e manutenção contínua.

Esses custos decorrem da maneira como o MES foi projetado. Os MES são grandes sistemas monolíticos. Eles são criados para fazer muitas coisas, e cada parte da sua funcionalidade contém várias interconexões e dependências. Pequenas modificações podem ter consequências inesperadas mais adiante.

Além disso, as empresas geralmente adicionam funcionalidade ao seu MES conforme for necessário ao longo do tempo. No decorrer da vida útil de um MES, essas adições podem multiplicar a complexidade de um sistema já complexo.

Consequentemente, manter um MES que estiver no final do seu ciclo de vida útil pode ser enormemente caro.

Custos ocultos

À medida que a nuvem, a IIoT e a agilidade se tornam o status quo na era digital, é mais importante do que nunca o MES "funcionar bem". No entanto, as despesas e a frustração de acelerar os sistemas legados podem levar você a sentir que os custos superam os benefícios.

Com o MES no final do ciclo de vida útil, o custo de manutenção não é apenas relacionado ao dinheiro necessário para manter o sistema funcionando. Ele também se estende ao custo de baixa visibilidade; o custo de aceitar processos manuais; o custo da baixa disponibilidade de dados; e o custo de adiar a preparação para um futuro digital.

Resumindo, as empresas que lutarem com seus sistemas incorrerão em custos ocultos sob a forma de oportunidades perdidas e menor resiliência do sistema.

Ao avaliar suas necessidades atuais de MES, é importante perguntar se seu sistema atual é uma base em que você pode confiar.

Como prolongar a vida do seu MES com uma plataforma

Se atualizar ou substituir o seu MES for inaceitável, existe uma terceira opção.

A Tulip pode ajudá-lo a prolongar a valiosa vida útil do seu MES adicionando uma camada de aplicativo ágil e configurável sob seus principais sistemas de produção.

Em outras palavras, a Tulip poderá ser o seu sistema de engajamento, enquanto que o seu MES permanecerá sendo o seu sistema de registro.

A Tulip é uma plataforma de aplicativos projetada para trazer agilidade às operações de manufatura. Com a Tulip, os funcionários da linha de frente criam aplicativos para seus processos, sem a necessidade de escrever nenhum código. A Tulip é nativa da nuvem e na IIoT, fornecendo uma base sólida para um programa mais amplo de inovação digital.

Portanto, em vez de abrir suas personalizações de MES codificadas (ou contratar consultores, ou o fornecedor para fazer isso por você), você poderá criar ou modificar aplicativos em horas, e não em semanas. Para o pessoal da TI, isso significa gerenciar uma única plataforma, não uma pilha crescente de aplicativos codificados. Para os funcionários da linha de frente, isso significa a capacidade de expandir a funcionalidade e repetir continuamente os aplicativos existentes.

A Tulip se integra ao seu MES e ERP, o que significa que tudo o que acontecer no chão de fábrica será passado para o seu sistema de informações críticas.

Nossa perspectiva é que você possa ter o seu bolo e comê-lo também. Você poderá preservar o sistema em que investiu e adicionar rapidamente todas as funcionalidades necessárias.

Então, para encerrar, aqui estão algumas perguntas a serem consideradas ao analisar o que você poderá fazer em seguida com o seu MES.

  • Você tem os dados de que precisa, quando precisar deles? − Se o seu MES não estiver coletando os dados de que você precisa (ou se eles não estiverem disponíveis quando for necessário), a Tulip poderá adicionar contexto e visibilidade às suas operações em tempo real.
  • O seu MES cobre todas as áreas de produção? − Se houver módulos que você nunca comprou ou aplicativos que você não conseguiu construir, a Tulip pode ajudá-lo rapidamente a obter controle e visibilidade onde for necessário.
  • Quantas soluções alternativas você aceitou ao começar? − Muitos projetos do MES aceitam soluções alternativas. É o que acontece quando você precisar adaptar um produto “de prateleira” a uma operação única. A Tulip funciona para seus processos, e não o contrário.
  • Qual é o grau de dificuldade para os operadores trabalharem? − Os MES foram projetados para o pessoal de TI, não para os colaboradores do chão de fábrica. A Tulip foi feita para os operadores que ficam na linha de frente.

Mantenha o seu MES e use-o também

No final do dia, você quer que seus sistemas de manufatura façam o trabalho para o qual eles foram projetados. E você não quer estourar seu orçamento para que isso aconteça.

A plataforma da Tulip pode prolongar a valiosa vida útil do seu MES, fornecendo exatamente a funcionalidade necessária, sem precisar de grandes layouts. Se você estiver curioso para saber mais sobre como a Konitech, através das soluções da Tulip, pode prolongar a valiosa vida útil do seu MES, entre em contato conosco agora mesmo.

Fonte: Tulip

E-BOOK

Augmented Worker

Potencializando as Pessoas na Indústria 4.0

Este guia apresentará o aprimoramento da manufatura – as novas tecnologias, seus casos de uso e seus princípios. Definiremos o que significa extensão no contexto da manufatura, explicaremos por que a manufatura precisa ser aprimorada agora e avaliaremos as diferentes tecnologias e aplicações que estão ampliando a atividade dos trabalhadores no chão de fábrica, no cenário atual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *